Skip to main content

Escolinha

 

Com o coração apertado estamos procurando uma escolinha para a Cecília. Virou extremamente necessário, já que precisamos trabalhar e família mora longe.

Com a grana curta, procuramos as creches municipais aqui do bairro e por muita, muita, mas muita sorte, conseguimos a vaga em menos de uma semana. Fui visitar a creche e como todo equipamento do governo, muito simples, porém vi o empenho das funcionárias em poder dar o melhor e fazer acontecer. Tudo bem cuidado. As atividades realizadas pelas crianças estão todas espalhadas pela escola, imprimindo um ar muito lúdico ao lugar. O espaço é muito grande, com uma área externa ótima, porém sem nenhuma área verde. Em tempos de consciência ambiental, achei essa a única falha.

Confesso que tenho preocupação com esse novo momento das nossas vidas. Começar a deixá-la ir para o mundo. É tudo que queremos. Que ela viva tudo que possa viver, mas é inevitável o aperto no coração. O deixar e virar para ir embora. Colocar a responsabilidade de cuidar dela nas mãos de alguém completamente estranho. Pensar que ficará chamando nossos nomes.

Faz parte. Todos nós já sofremos com isso. Nossos pais também. Nossas avós! É o círculo da vida! Estamos preparados. Ao menos eu acho (…)

Importante é que ela crie outras relações e lá será o melhor lugar, com certeza! A escola tem metodologia, com atividades diversas e que vão muito além do simples cuidar, mas de brincar e ensinar as relações sobre as coisas. Tão importante quanto, é que eles também promovem a participação dos pais mensalmente dento da escola. Achei ótimo!

Toda a minha formação foi em escola pública. Desde o “parquinho”até a faculdade. Quando vemos os números e informações atuais, ficamos com medo do que será realizado e como queremos o melhor para nossos pequenos, pensamos duas vezes.

Acho que nada é por acaso. A situação nos coloca essa condição. Essa condição nos fará avaliar preconceitos. Tudo é para o bem e para o melhor.

Em breve, novidades!

Comentários

comentário(s)

Well Bonfim

39 anos, empresário, santista de nascimento e roxo de coração e papai sofredor da Cecília